quinta-feira, 2 de junho de 2011
















Missao cumprida!

Sucesso total domingo passado em Ottawa. Completei o circuito de 21 km em 2 horas e 16 minutos. Nada mal comparado ao meu treino, quando percorri a mesma distância em 2 h e 28 m. Entretanto, em relação as outras corredoras, meu resultado deixou a desejar. De 819 mulheres ente 30 e 34 anos, minha colocação foi de 543ª. Entre os 5309 participantes, fiquei em 3087° lugar. Tudo bem que não cheguei com a primeira metade da turma, mas eu corri 21 km sem andar ou parar nem para amarrar os tênis.
Nos primeiros 10 km eu fui super precavida e respeitei um intervalo bem tranqüilinho de 150 a 157 batimentos cardíacos (o contrario do ano passado, quando fiz o circuito de 10K. Ao ver a galera que parecia menos em forma e que corria mais rápido que eu, comecei a competir e puxei muito forte no começo. Não preciso nem falar que me cansei rápido e foi bem difícil terminar o percurso). Este ano, comecei com um ritmo tão lento que todo mundo me ultrapassava. Confesso que corria olhando pra trás com medo de ficar em ultimo lugar. Passados os primeiros 10 km e com o corpo aquecido, ganhei segurança, meu nível de adrenalina aumentou e os géis, líquidos e balas de energia que tomei começaram a fazer efeito. Acelerei o passo e ai foi minha vez de passar os outros que ora corriam devagar ora andavam. Do km 20 ao 21 eu corri tão rápido! Meu coração chegou a quase 190 batimentos e meu corpo todo formigava. Acho que no final do percurso eu ainda tinha muita energia e poderia ter acelerado no inicio largada. Detalhes que serão ajustados nas próximas.
Logo depois da largada tentei ligar meu i-Pod mas ele estava travado e nada funcionava. Que ódio! Conto tanto com minha seleção de músicas que me motivam na hora de acelerar ou me ajudam a não parar na hora que não agüento mais. Eu, que nunca fiz nem mesmo 1 kilômetrozinho sem música, corri 21 km no silêncio total. Quando vi que o i-Pod estava travado desesperei e pensei que não ia conseguir chegar ao fim. Como se tivesse sido enviada por Deus, uma mulher que corria atrás de mim, se colocou ao meu lado e começou a conversar. No meu momento de decepção, reclamei do meu i-Merda e ela me disse que durante os treinos sempre ouve música, mas nunca traz seu i-Pod nos eventos. Desta forma, ela pode ouvir o barulho da torcida e da multidão correndo, além de sentir a energia do grupo. Com a música, a gente acaba se isolando do resto. E não é que ela tinha razão! Durante todo o trajeto, os moradores e familiares dos participantes nos acompanhavam gritando coisas do tipo, go, go you can do it! You’re doing great! Fora isso, a cada 3 ou 4 km passávamos por tendas com músicas variadas e as vezes até com dançarinos para animar os corredores. Como a brasileirada esta por toda parte, tinha até um grupo com camiseta verde e amarela batendo tambor.... Sem meu i-Pod pude ouvir uma menininha que estava esperando o pai passar. Ela começou a gritar daddy, daddy e correu para a rua no meio de todo mundo para abraçar o pai. Também pude ouvir um homem, que assistia da calçada, me dizendo, go go go, you’re just 2 minutes from de leader! Rsrsrs, engraçadinho. Quando ele me disse isso, o vencedor já devia ter chegado havia uns 40 minutos....
O percurso foi super bonito. Passamos pelo centro, pelos bairros residenciais e parques de Ottawa. Depois de atravessarmos uma ponte linda, deixamos Ontário e entramos na cidade de Gatineau, já na província francesa do Québec. Ah, já mencionei que todo este percurso foi feito em baixo de chuva?
Nunca senti a adrenalina que senti domingo passado. Correr é mesmo como uma droga. Ainda mais em um evento como este, onde a adrenalina se mistura com a energia das pessoas, (e aos shots de energy chew, gel e ampolas; produtos com base de açúcar e carboidrato que ajudam na recuperação muscular e dão mais energia) posso dizer que durante a segunda metade do percurso eu estava em verdadeiro êxtase. Para provar que não exagero, no final da corrida, conversando com um corredor francês, ele me disse que teve bastante dificuldade na subida entre o km 14 e 17. Eu nem vi e nem senti subida nenhuma!
Se vou tentar os 42 km? Não, não. Uma maratona completa pede o compromisso e a dedicação que não estou pronta para encarar. Vou tentar melhorar meu tempo em mais uns dois eventos ainda este ano (tô de olho na corrida da lua; 21 km no escuro, onde os participantes correm com uma lanterninha na cabeça). Também estou pensando em voltar a fazer os 10K, mas desta vez com o super desafio de completa-los em 40 minutos! (meu melhor tempo até agora foi de 58...)







Um dia antes da corrida, no Centro de convençoes, para buscar meu numero de identificaçao e o marcador de tempo.








O Steve tomando uma cervejinha...

Em frente ao parlamento do governo do federal.

2 comentários:

Anderson disse...

A Jaque me aplicou no seu Blog! Bom revê-la! Mande um abraço ao Steve! Um Abraço!

JAQUELINE disse...

Olá,
Parabéns pela corrida... bacana demais!!!
Estamos com saudades.
Quando vierem vamos colocar uma chopeira distante 21 Km e acho que Anderson e Steve baterão todos os recordes!
Beijos para vocês.